1949 Ford lost photo sessions – 1

O amigo Luiz Sampayo já me deu o toque: navegue por outras águas, descubra e aprenda mais sobre outros cenários do automóvel, estão aí os argentinos e europeus, e eu ainda emendei concordando, lembrando dos australianos. Mas Luiz, como disse Anatole France: sou claro como o regato, por isso pouco profundo! Mas, com a ajuda de amigos como você, isso com o tempo e a seu tempo, melhora.

Sobre automóvel, aliás qualquer assunto, sou realmente singular. Um de cada vez. Não consigo descansar enquanto o assunto ainda me fascina. Por isso raramente me ocupo de duas coisas ao mesmo tempo. Se leio Jorge Amado, serão 3 ou 4 livros de uma vez. Quando descobri o chesse cake de cassis fiz dele minha sobremesa por 2 anos. E sobre automóvel, bem, sempre um de cada vez. Na época do Dodge Dart mergulhei de cabeça no assunto, construí em html (blog nem sabia que existia) o site www.dodgedart.com.br, brincadeira que me tomou seis meses de trabalho madrugada a dentro. Com o Camaro foi a mesma coisa, mas isso foi depois deste blog aqui. Aí veio o Ford e, bem, já estou nessa há mais tempo do que com qualquer outra coisa de que tenha gostado na vida, excetuando minha esposa. Como ela, o Ford não se esgota em surpresas e a admiração é crescente, em que pese se situarem em dois planos bem distintos de minha afeição.

Eu adoraria ter tempo para reunir num só artigo tudo o que aprendi e li sobre os Fords 1949/51. Não tenho nada de novo a acrescentar. Minha contribuição seria juntar as fontes, organizar as informações. E em português para pelo menos o pequeno Tales ler um dia.

Se você sabe pouco sobre o desenvolvimento deste carro em particular,  talvez esteja se perguntando o por quê deste interesse e se o assunto suscita um tal esforço mesmo. No caso do meu querido Shoebox sim, a sua história têm diversos protagonistas, homens habilidosos e motivados, comprometidos com a missão de salvar a Ford. É graças a eles, é bom que se diga, que você e eu hoje podemos curtir Mustangs e Thunderbirds, para citar apenas alguns ícones. E olha que estas palavras não são minhas, mas de um jornalista experiente que escreveu a respeito.

A história do Novo Ford para 1949 poderia ser contada a partir do nascimento da Ford Motor Company e pela maneira como sempre foi administrada. Há um fio condutor aí, desde a constituição da empresa em 1903 até o início de 1946, quando seu prejuízo operacional, em valores da época, era de 10 milhões de dólares ao mês. Este elo é a maneira como a empresa sempre foi administrada por seu fundador. Quando se dá o vácuo criado pelo afastamento de Henry Ford por graves motivos de saúde, a já ineficiente e obsoleta operação da empresa cai nas mãos de um simples chefe de operações e o truculento segurança particular de Henry Ford, só por que privavam de sua total confiança. Assim resumido este período da história da companhia, talvez não haja como transmitir o senso de urgência e iminente catástrofe com que Henry Ford II teve que ser dispensado pelo próprio Eisenhower do serviço militar a fim de assumir, contrariando a vontade do avô que em primeiro momento não cede completamente, o comando da Ford como seu CEO finalmente no outono de 1946 se não me engano. Por isso que eu penso que o Ford 1949, como ficou conhecido, foi fruto da necessidade maior, e também da sagacidade e criatividade de muitos.

Seu significado para a Fomoco não é o mesmo que terão, anos mais tarde, os Chevrolet 1955, 56 e 57 para a General Motors. Era tudo ou nada, bola ou búlica. Tanto o é que, exceto o motor, todo o carro foi desenhado, projetado, construído e posto à venda no prazo recorde de dois anos e meio. Quem faria isso se não por, digamos, urgência?

É preciso dar muita atenção, quando o dia de escrever sobre isso chegar, ao desenho do Novo Ford para 1949. Que é a parte mais interessante de todo o então chamado projeto X-2900 por sinal. Sem dúvida alguma um projeto original e revolucionário, que eu não acredito mais ter sido influenciado pelo trabalho da Studebaker. Se existem provas em sentido contrário, ainda não as conhecemos. Os homens que em 3 meses desenvolveram a partir de um rascunho no papel não só o desenho mas o modelo em tamanho de 1/4 do original em argila, merecem todo o nosso reconhecimento, em que peso o nome de dois deles só ter sido conhecido, por questões éticas, apenas uns 20 anos atrás.

Mas isso é papo pra outra hora. Eu quero é publicar estas fotos, clicadas em março de 1948 na Flórida.

É o seguinte. O Ford foi lançado em junho de 1948 como modelo 49, numa grande festa no Waldorf Astoria, em Nova York. O segredo era absoluto, total. O risco, imenso.

Estas fotografias só chegaram à tona agora que o Google digitalizou todo o acervo da LIFE Magazine.

São mais de 230 fotografias sobre os três dias dedicados à fotografar e filmar o novo Ford para a pesada e maciça campanha de publicidade que estava por começar. São fotos dos primeiros veículos sendo transportados para a locação, aqui vistos ainda nos caminhões que os transportavam, em sigilo absoluto, para a ocasião. Por este motivo, serem fotos de um segredo que não mais o é, são todas emblemáticas, belíssimas. E muito bem produzidas. Henry Ford não poupou gastos. O mercado sabia que a Ford se mobilizava há anos em um novo carro, mas desconhecia o que ele representava. Como dito, o carro em si só foi apresentado três meses mais tarde, em junho do mesmo ano, num furo de reportagem da Popular Science, conseguido a duras penas em longas negociações com o pessoal da Ford.

As fotos a seguir, esclarecendo melhor, não são as oficiais, mas as que foram clicadas pela LIFE Magazine, que acompanhou a equipa da Agência contratada pela Ford, nos 3 ou 4 dias de locação. Não sei por que, mas a LIFE não publicou estas fotos, pelo menos não estão em nenhuma edição de 1948 ou 49. Se flagraram o segredo, por que não o publicaram? Não sei. Até o dia em que o acervo deles foi parar na rede, as pessoas simplesmente ignoravam esta oportunidade histórica que foi registrada por eles.

Toda essa bateria de fotos não cabe num só post. Eu me dei ao trabalho de baixar todas que consegui, ordenar cronologicamente ou pela locação e vou publicar aqui. Sem isso, é mais material dando mofo no meu HD e, pior, deixo de evangelizar os novos autoentusiastas pela história deste grande carrinho. Por isso, vou ter que separar em 6 ou mais partes esse post.

Para terminar, foi escrevendo este post e  revendo as fotos que acabei de descobrir exatamente onde elas foram clicadas! Quer o endereço completo para ir lá visitar? Foi no número 201 da Trismen Terrace, Orlando, Florida. Como eu descobri isso? Veja o detalhe ao lado. Pelo Google Street View a mansão que veremos em outro post não está mais lá, hoje é um confomínio de luxo. Chata esse internet…

A seguir, os Novos Ford para 1949 chegando para a sessão de fotos que ninguém mais se lembrava ter existido. Atente para a foto em que se vê um modelo 47 se não me engano e um pedacinho de um A. Eles serão colocados lado a lado com os 49 e mais um modelo T para comparar a evolução da família Ford, em fotos que publico mais tarde.

E ai, gostou das fotos? Já te deu vontade de ter um? Estou me esforçando para isso. :)

Abraços!

About these ads

18 ideias sobre “1949 Ford lost photo sessions – 1

  1. Luís Augusto Malta

    Essas fotos da Life são sensacionais! Nik, belo artigo, muito esclarecedor sobre como a Ford conseguiu chegar à beira do precipício em uma época de lucros assombrosos para a indústria americana. Sobre a influencia da Studebaker, creio que é uma questão de ponto de vista. O Champion lançou a tendência, portanto influenciau toda uma geração de carros nos EUA, mas nada a lém disso, na minha opinião. O Ford me parece mais equilibrado do que o Stud.

  2. Julio Augusto Rocha Paes

    Belo artigo você escreveu, parabéns. Se não me falha a memória o principal desenhista do “shoebox” foi Richard Caleal ou Kaleal, americano descendente de libaneses, estou certo? Um abraço.

  3. Nikollas Ramos Autor do post

    Luís, há quem diga que George Walker, o pai do desenho, trouxe os estudos da Stud onde trabalhou imediatamente antes de ser convidado, como free lancer, a apresentar uma sugestão para o Comitê da Ford. Aproveitou-se boa parte do que ele sugeriu o reto veio do trabalho do Chefe de design da Ford, o qual não me lembro o nome. Só me lembro que ele perdeu o emprego para George Walker….
    Mas o assunto não é pacífico. Um jornalista da Hemmings jurou que viu as fotos de um modelo da Stud, de 45/46, que contou com a participação e que é a mãe do Ford. Mas, disse ele, o dono das foto s ainda não permitiu que elas fosse divulgadas…. Ainda acho que é cascata, o rapaz que desenhou o Ford, na cozinha de casa, é que era bom. Ali naquele cômodo surgiram o spinner e as lanternas horizontais. Coisa fina.
    Grecchi, eu também gosto muito de você!

  4. Nikollas Ramos Autor do post

    Julio, não estou com meu caderninho de notas aqui, mas é possível sim que tenha sido o Kaleal – o nome me soa familiar. De qualquer forma, G. Walker, que não sabia patavinas de modelagem em argila, pede a ele para ajudar, que por sua vez chama um amigo. Ambos eram do escritório de design de Raymond Loewy, o grande gênio dos anos 50 e fizeram um bico que entrou para a história muitos anos depois, pois quem foi contratado, na verdade, era Walker. Daí que o nome deles aparece só muito tempo depois. Lá no blog do Shoebox têm uma belíssima entrevista com George, poucos anos antes dele morrer, pontuando toda sua fecunda carreira. Vale a leitura.

  5. Rui Pastor

    Essas fotos sao uma viagem no tempo. Fantásticas! Como sempre, um belo post.

  6. Germano

    Olá,tudo bem?
    Tenho algumas fotos antigas de Porto Alegre, onde aparecem alguns carros da época. Se tiveres interesse, passa-me o teu e-mail que eu te envio.

  7. Nanael Soubaim

    Nikollas, nos dez anos em que ajudei minha ex-psicóloga com outros malucos, aprendi que as pessoas não precisam ser entendidas, precisam ser compreendidas. Quanto mais pesquisarmos, mas motivos estapafúrdios encontraremos para um evento, alguns tanto que (ainda que sejam os verdadeiros) logo vão para a gaveta de lorotas. É o caso da não publicação destas imagens e da real autoria do 49′. Tentar entender uma pessoa é assinar o próprio atestado de insanidade mental. Mas se dedicar a resgatar uma parte importante da história mundial, posto que o automóvel é a tradução mais plena de uma sociedade, só merece louvores. Se dá vontade de ter um? Ô se dá! Inclusive as cegonhas. Mas não tem para todo mundo. Imagino a bagunça nas cabeças desses rapazes, trabalhando com um modelo realmente novo, até meio futurista para então, tendo que voltar todas as tardes para seus carros requentados do pré-guerra.

  8. Francisco José Pellegrino

    Aí no Rio tem um cara na apuração do carnaval que diz assim: 10 NOTA 10…..
    Este Nik é demais, parabéns.

  9. AGB

    Quem desenhou o Ford 49 foi Richard Caleal, ex-funcionário de Raymond Loewy, com a ajuda de seus colegas Robert Bourke e Holden Koto. O trabalho foi encomendado por George Walker que nada sabia de desenho mas era o melhor vendedor de idéias dos EUA. O labioso Walker convenceu Henry Ford II e a direção da companhia a encampar o projeto de Caleal. Nesta briga de foice, o chefe de estilo da Ford (E.T. Gregorie) foi escanteado e sua proposta para o modelo 49 transformou-se no Mercury.
    Pode-se ler uma boa resenha do assunto no sítio “How stuff works”.

  10. Luiz MelloSampayo

    Nikollas, estah de dar gosto o Blog, as imagens são postadas, o desafio eh lançado e o pessoal em poucas linhas consegue transmitir mais e melhores informações dq em mts publicações que andam por aí. A água flui no regato como no oceano, eh soh navegar. Ab

  11. nerddecarro

    Nik,

    Te enviei um link no seu facebook de um 51 restaurado em 3 meses.

    Abraço.

  12. Eduardo

    Oi Nik
    Que bacana essas fotos mais uma vez parabens.
    Sem querer desmerecer a “pintura” chamando atenção para a “moldura”, que beleza de cegonhas que coisa de louco.

    Abraço a todos

  13. Hebert

    Lindas, essas fotos! Pelo visto foi um momento emblemático para a Ford.
    Parabéns, Nik! És professor em matéria de Ford 49/51…

  14. Pingback: 1949 ford lost photo sessions – 2 | The Shoebox Ford (1949-51) blog

  15. Pingback: Four-Links – turbine car brochure, BowlMor Cadillac, H-Mod reunion, 1949 Ford intro at Hemmings Blog – Classic and collectible cars and parts

  16. Pingback: Four-Links – turbine car brochure, BowlMor Cadillac, H-Mod reunion, 1949 Ford intro | Blog on Car Electronics

  17. Pingback: 1949 ford lost photo sessions – 3 | The Shoebox Ford (1949-51) blog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s