1949 ford lost photo sessions – 3

Eu esqueci de contar que a idéia de organizar estas imagens da sessão de fotos do Ford 49 me ocorreu somente depois de um email do Dan Palatnik. Eu já conhecia as fotos há mais ou menos um ano, foram mas primeiras que catei no acervo da Life, juntamente com as do Corvette de 1953. Mas foi com o email do Dan quem me ocorreu a idéia de que esse material era bem mais do que supunha, era uma história completa. Obrigado, Dan.

Um dos livros que chegaram semana passada diz que a produção dos pilotos do novo Ford para 1949, conhecido como Model B-A, começa na fábrica de Rouge no início de abril de 1948. Estes primeiros automóveis serviam para corrigir os bugs das linhas de montagem. Depois disso, eram enviados completos para outras plantas da Ford que os utilizariam para os acertos finais, iniciando assim mais rapidamente a produção. Deu para perceber que, assim feito, cada fábrica teria sua qualidade final o que seguramente contribuiria para alguns dos defeitos crônicos dos automóveis deste primeiro ano, que ficariam mais evidentes nos modelos saídos de algumas fábricas do que de outras…

Como a Lincoln e a Mercury também teriam carros novos, tratava-se de mudar tudo, adaptando todas as plantas às especificações dos novos carros. Bem ao estilo Ford, pela quarta vez em seus 45 anos de história, um automóvel impunha grandes mudanças, alterando radicalmente a maneira que a Ford construía, fabricava e vendia seus carros. Assim foi com o Model T, depois o A, mais tarde o B e agora o B-A. Mais uma vez, eles estavam mudando tudo. E errar não era uma opção antes, muito menos agora.

Bom, se os pilotos começaram a sair das linhas de montagem somente em abril de 1948, que carros são estes que vemos nestas fotos? Sim, por quê a data da sessão de fotos abaixo é anterior àquela. Como eu sei disso? Do mesmo jeito que descobri o endereço: está escrito ali! Veja as datas nas claquetes.

Viu? 21 e 22 de fevereiro de 1948. Como se chamam estes carros então? Pré-série? Interessante é que eles já estavam todos definidos aí, claro. Não há um friso ou calota que não tenho ido para a linha de montagem. Eu olho para este tudor cinza claro acima e me pergunto se não é ele quem está hoje no Henry Ford Museum. Será que eles saberiam me dizer isso? Alguém aí mora perto, pois eles não têm serviço de atendimento à distância…

As fotos de hoje são das meninas da Ford que participaram da sessão de fotos. Sim, as modelos que estavam lá para colorir o ambiente, para humanizar a aridez de tanto american iron! As verdadeiras e legítimas pin-ups. Se você tivesse 16 anos, qual delas que você pregaria na porta do seu armário, meu irmão? Eu já tenho há muito tempo uma favorita.

Abraço! Nik.

Anúncios

1949 Ford lost photo sessions – 1

O amigo Luiz Sampayo já me deu o toque: navegue por outras águas, descubra e aprenda mais sobre outros cenários do automóvel, estão aí os argentinos e europeus, e eu ainda emendei concordando, lembrando dos australianos. Mas Luiz, como disse Anatole France: sou claro como o regato, por isso pouco profundo! Mas, com a ajuda de amigos como você, isso com o tempo e a seu tempo, melhora.

Sobre automóvel, aliás qualquer assunto, sou realmente singular. Um de cada vez. Não consigo descansar enquanto o assunto ainda me fascina. Por isso raramente me ocupo de duas coisas ao mesmo tempo. Se leio Jorge Amado, serão 3 ou 4 livros de uma vez. Quando descobri o chesse cake de cassis fiz dele minha sobremesa por 2 anos. E sobre automóvel, bem, sempre um de cada vez. Na época do Dodge Dart mergulhei de cabeça no assunto, construí em html (blog nem sabia que existia) o site www.dodgedart.com.br, brincadeira que me tomou seis meses de trabalho madrugada a dentro. Com o Camaro foi a mesma coisa, mas isso foi depois deste blog aqui. Aí veio o Ford e, bem, já estou nessa há mais tempo do que com qualquer outra coisa de que tenha gostado na vida, excetuando minha esposa. Como ela, o Ford não se esgota em surpresas e a admiração é crescente, em que pese se situarem em dois planos bem distintos de minha afeição.

Eu adoraria ter tempo para reunir num só artigo tudo o que aprendi e li sobre os Fords 1949/51. Não tenho nada de novo a acrescentar. Minha contribuição seria juntar as fontes, organizar as informações. E em português para pelo menos o pequeno Tales ler um dia.

Se você sabe pouco sobre o desenvolvimento deste carro em particular,  talvez esteja se perguntando o por quê deste interesse e se o assunto suscita um tal esforço mesmo. No caso do meu querido Shoebox sim, a sua história têm diversos protagonistas, homens habilidosos e motivados, comprometidos com a missão de salvar a Ford. É graças a eles, é bom que se diga, que você e eu hoje podemos curtir Mustangs e Thunderbirds, para citar apenas alguns ícones. E olha que estas palavras não são minhas, mas de um jornalista experiente que escreveu a respeito.

A história do Novo Ford para 1949 poderia ser contada a partir do nascimento da Ford Motor Company e pela maneira como sempre foi administrada. Há um fio condutor aí, desde a constituição da empresa em 1903 até o início de 1946, quando seu prejuízo operacional, em valores da época, era de 10 milhões de dólares ao mês. Este elo é a maneira como a empresa sempre foi administrada por seu fundador. Quando se dá o vácuo criado pelo afastamento de Henry Ford por graves motivos de saúde, a já ineficiente e obsoleta operação da empresa cai nas mãos de um simples chefe de operações e o truculento segurança particular de Henry Ford, só por que privavam de sua total confiança. Assim resumido este período da história da companhia, talvez não haja como transmitir o senso de urgência e iminente catástrofe com que Henry Ford II teve que ser dispensado pelo próprio Eisenhower do serviço militar a fim de assumir, contrariando a vontade do avô que em primeiro momento não cede completamente, o comando da Ford como seu CEO finalmente no outono de 1946 se não me engano. Por isso que eu penso que o Ford 1949, como ficou conhecido, foi fruto da necessidade maior, e também da sagacidade e criatividade de muitos.

Seu significado para a Fomoco não é o mesmo que terão, anos mais tarde, os Chevrolet 1955, 56 e 57 para a General Motors. Era tudo ou nada, bola ou búlica. Tanto o é que, exceto o motor, todo o carro foi desenhado, projetado, construído e posto à venda no prazo recorde de dois anos e meio. Quem faria isso se não por, digamos, urgência?

É preciso dar muita atenção, quando o dia de escrever sobre isso chegar, ao desenho do Novo Ford para 1949. Que é a parte mais interessante de todo o então chamado projeto X-2900 por sinal. Sem dúvida alguma um projeto original e revolucionário, que eu não acredito mais ter sido influenciado pelo trabalho da Studebaker. Se existem provas em sentido contrário, ainda não as conhecemos. Os homens que em 3 meses desenvolveram a partir de um rascunho no papel não só o desenho mas o modelo em tamanho de 1/4 do original em argila, merecem todo o nosso reconhecimento, em que peso o nome de dois deles só ter sido conhecido, por questões éticas, apenas uns 20 anos atrás.

Mas isso é papo pra outra hora. Eu quero é publicar estas fotos, clicadas em março de 1948 na Flórida.

É o seguinte. O Ford foi lançado em junho de 1948 como modelo 49, numa grande festa no Waldorf Astoria, em Nova York. O segredo era absoluto, total. O risco, imenso.

Estas fotografias só chegaram à tona agora que o Google digitalizou todo o acervo da LIFE Magazine.

São mais de 230 fotografias sobre os três dias dedicados à fotografar e filmar o novo Ford para a pesada e maciça campanha de publicidade que estava por começar. São fotos dos primeiros veículos sendo transportados para a locação, aqui vistos ainda nos caminhões que os transportavam, em sigilo absoluto, para a ocasião. Por este motivo, serem fotos de um segredo que não mais o é, são todas emblemáticas, belíssimas. E muito bem produzidas. Henry Ford não poupou gastos. O mercado sabia que a Ford se mobilizava há anos em um novo carro, mas desconhecia o que ele representava. Como dito, o carro em si só foi apresentado três meses mais tarde, em junho do mesmo ano, num furo de reportagem da Popular Science, conseguido a duras penas em longas negociações com o pessoal da Ford.

As fotos a seguir, esclarecendo melhor, não são as oficiais, mas as que foram clicadas pela LIFE Magazine, que acompanhou a equipa da Agência contratada pela Ford, nos 3 ou 4 dias de locação. Não sei por que, mas a LIFE não publicou estas fotos, pelo menos não estão em nenhuma edição de 1948 ou 49. Se flagraram o segredo, por que não o publicaram? Não sei. Até o dia em que o acervo deles foi parar na rede, as pessoas simplesmente ignoravam esta oportunidade histórica que foi registrada por eles.

Toda essa bateria de fotos não cabe num só post. Eu me dei ao trabalho de baixar todas que consegui, ordenar cronologicamente ou pela locação e vou publicar aqui. Sem isso, é mais material dando mofo no meu HD e, pior, deixo de evangelizar os novos autoentusiastas pela história deste grande carrinho. Por isso, vou ter que separar em 6 ou mais partes esse post.

Para terminar, foi escrevendo este post e  revendo as fotos que acabei de descobrir exatamente onde elas foram clicadas! Quer o endereço completo para ir lá visitar? Foi no número 201 da Trismen Terrace, Orlando, Florida. Como eu descobri isso? Veja o detalhe ao lado. Pelo Google Street View a mansão que veremos em outro post não está mais lá, hoje é um confomínio de luxo. Chata esse internet…

A seguir, os Novos Ford para 1949 chegando para a sessão de fotos que ninguém mais se lembrava ter existido. Atente para a foto em que se vê um modelo 47 se não me engano e um pedacinho de um A. Eles serão colocados lado a lado com os 49 e mais um modelo T para comparar a evolução da família Ford, em fotos que publico mais tarde.

E ai, gostou das fotos? Já te deu vontade de ter um? Estou me esforçando para isso. :)

Abraços!

James Doomed

Eu não sei se tu sabe, mas o carro que esbarrou com o Little Bastard de James Dean foi um Ford coupé 1950. Tragédia.

Eis a versão de um baita artista sobre o caso. Absolutamente fantástico.

Coisa do genial Nat Greco. A galeria de seus trabalhos está neste link.

Mais Ford 1951, via Buzian

Um tempo atrás eu escrevi um pouco e publiquei muitas fotos sobre os primeiros Fords originais do pós-guerra, aqueles que ficaram conhecidos pelo formato da carroceria, quase uma caixa de sapato, os shoebox, que são os produzidos entre 1949 e 51. Têm muita coisa sobre eles aqui no blog, a maioria está reunida aqui neste link.

Não é segredo que estou há mais de um ano procurando o meu. E por vários motivos, mas também por que ainda dá para comprar um lindo Ford com a admirada mecânica V8 flathead nestes anos. Os anos anteriores e seguintes ou são caretas demais ou caros demais! Os shoebox ainda são uma janela pela qual eu posso entrar neste mundo fascinante dos Fords clássicos. E, confesso diante da deixa do amigo Mário, que eu já entrei, o meu chega esta semana, e mais não falo por que eu quero fotografá-lo em casa para mostrar aos amigos! Apressado, Mário cantou a pedra e mandou estas fotos lindíssimas deste carro maravilhoso (baba escorrendo pelo canto da boca…). Mais eu escrevo oportunamente.

Mário, duplamente grato. Abraço, meu amigo.

51 factory photoblack fordorpolice fordorfordor coming homefordor police runningfordor beach

The Old Shoebox Rides Again!

Este carro é de um amigo. Um raro Ford 1950 Crestliner. Carro extremamente raro, aqui e nos Estados Unidos, foi uma versão de acabamento especial para 1950 e 51, com muito poucas unidades produzidas. Este aqui, em excelente estado de conservação, só teve antes deste amigo um outro único dono. Justamente como disse antes, estes Ford são pura nostalgia embalada para viagem.

Para ler toda a história de como a Ford desenvolveu este carro e como ele a salvou da falência em 1949, clique aqui e leia, em inglês, uma grande matéria no How Stuff Works. Que por acaso usa, para ilustrar o texto, a foto de um modelo idêntico a este do meu amigo aqui.

Fords clássicos

Bom, se não são clássicos estes Fords na definição dos entendidos, pelo menos na minha são. São carros lindíssimos que representam possivelmente a época mais criativa da Ford e uma das mais marcantes da história do automóvel. Todas em alta resolução, clique para ampliar e salvar. O que estes carros me fazem lembrar é que os Fords nasceram e foram po rmuito tempo o carro do trabalhador comum. O primeiro carro, a realização de um sonho, das famílias mais simples e que por isso mesmo mais se encantaram com eles, ao contrário de quem comprava um Le Sabre, por exemplo. Talvez por isso eu goste tanto dos Fords desta época.