Cia de Automóveis Guido Cé – 13

O Zonta têm por hábito separar por e-mails as fotos do mesmo tema ou período. Vou quebrar a regra dele e colocar neste post assuntos de diversos e-mails, pois assim me aprece mais adequado a aproveitar tamanha fartura de informações.

Pra quem gosta de ônibus antigos, como eu, as fotos da Grassi abaixo são uma surpresa e tanto. A história do ônibus no Brasil se escreve com Grassi. Estranhamente, não achei nada de relevante sobre eles na internet. Apenas este fotolog aqui, o Bus Urbanos, que traz boas fotos e histórias. Atente para o fato de que o prédio da Grassi foi clicado em duas épocas distintas, veja a pintura na fachada, ora vibrante ora esmaecida. Mais fotos dos caminhões dos Cé, neste link aqui. Sobre estas fotos a seguir, as primeiras de hoje, escreve o Zonta:

“Como já havia comentado anteriormente em outros email-s por mim enviados, os chassis que a Cia de Automóveis Guido Cé-Guiceco Revendedor Ford vendia, eram submetidos as carrocerias de caminhões e ônibus, embora já havia enviado outro e-mail com ônibus não poderia deixar de enviar essas maravilhas. As fotografia fazem parte do acervo da Sra. Dolores Cé Moreira, o meu muito obrigado por nos pemitir ver estas maravilhas. NZ.”

Mais uma foto interessante, de outro email. Sobre ela escreve Navarro:

“Amigos, mostro na fotografia em anexo um pouco das dificuldades encontradas pelos motoristas para conseguir trabalhar.
Por hora a fotografia mostra a travessia de um caminhão Ford “158” 1947 carregado com suíno na travessia do Arroio Jacaré, em Jacarezinho-Encantado RS. A fotografia pertence ao acervo fotográfico da Sra Alda Abreu Cé. Abraço, Zonta.”

Acidentes acontecem. Estas fotos complementam aquele outro post. Eis mais uma destas fatalidades das estradas e das coisas que sobre elas se movimentam a grande velocidade. Grande estrago.

Pelo que entendi, houve um quarto veículo envolvido neste acidente. Nas fotos a seguir, morro abaixo, eis o que sobrou dele.

Em um dos primeiros posts, o Zonta mandou diversas fotos dos tratores e implementos agrícolas comercializados pelos Cé. Um deles, um Ford do qual desconhecia a exitência, me chamou a atenção. Ei-lo em mais uma foto que mais lembra os tanques da Primeira Guerra. Incrível esta foto.

Sobre a pequena maravilha que se segue, deixo o Zonta apresentá-la:

“Por muitas fezes comentei sobre a grandiosidade da Cia de Automóveis Guido Cé-Guiceco-Revendedor Ford em Encantado RS, e nestas fotografias em anexo mostro um pouco das habilidades dos mecânicos da Ford, em fabricarem uma lancha ao estilo “Rabo de Peixe” para a família Cé, com motor de Ford Prefect nas oficinas da Revenda. A criança no colo é o Marcelo Cé que nos emprestou as fotografias, esta com seu pai Ari e Marcelina Cé. Um grande abraço, Zonta.”

Deve ser a única lancha que a Ford (Revenda) fabricou no mundo! Alguém mais aí percebe isso? Ou eu que estou ficando doido? :)

Há muito o que pode ser dito sobre esta despudoradamente linda lancha. De minha parte, quero registrar apenas duas coisas: 1ª, que ela ficaria linda sendo rebocada pelo meu 51! 2ª, que o farolzinho ali na proa, tão comum nos Fords, está fazendo falta, em par, aqui em casa! Barbaridade essa lancha!

A seguir, diversas fotos do acervo da família Cé. Os créditos  são os seguintes:

As fotografias AAC06,09,12, pertencem a Alda Abreu Cé.
As fotografias DCM10016,10019,10020, pertencem a Dolores Cé Moreira.
As fotografias MC03,07,08,11,12,13,14,15,16,36,20 e 24 pertencem a Marcelo Cé.

Veja que interessante a mensagem ecológica no carro abaixo. Precoce, não? Que interessante. De quem será que foi a bela idéia?

Acho que estas são as fotos que o Luiz Sampayo perguntou, sobre o acidente no percurso das carreteras de 1952.

Mais fotos diversas. Depois destas, encerro o post. Aí, ficam faltando, acho, só mais umas 40 sobre o Corcel I, II, Maverick, Rural e etc. Cacilda, é muita foto! Valeu, Zonta!

Viação Triunfo, Belém do Pará, 1957

c5

zeppelin_belem_pa_acervo-life

Estas duas fotos são da coleção da Life e me pegaram de surpresa. Que raios de… veículo é isto? E em Belém do Pará? Tudo muito estranho.

Fui pesquisar e achei coisas muito interessantes. Lá no blog do Flávio Gomes descobri que, parece, estes ônibus foram mandados construir em São Luis, Maranhão, nos anos 40, ao que parece que sobre chassi Dodge, pelo empresário Joaquim Lourenço, vulgo Joaquim Português, um admirador aas formas invulgares dos dirigíveis. Fizeram sucesso por alguns anos e foram levados para o Pará mais tarde.

os_zepelins_001-1

Achei outra explicação diferente e interessante sobre a origem dos ônibuz-zeppelin de Belém do Pará, extraídada do livro Cidade Transitiva de Armando Mendes, e do blog do Haroldo Baleixe. De qualquer forma, é uma descrição deliciosa do que eram estes ônibus, vale a leitura.

Os nossos dirigíveis foram, na verdade, criação da Viação Sul Americana, de propriedade do contador do Banco Ultramarino Clóvis Ferreira Jorge & sócios. E eram construídos na São Jorge de Ribamar Ltda., igualmente de sua propriedade. Tinham carroceria de madeira, ferro e flandres, pintados externamente na cor alumínio. O interior era em couro, alcochoado. Em vez de cobradores, eram tripulados por ‘aeromoças’. No início dos anos 60 foram vendidos para Manaus e São Luiz. Antes disso, porém, inspiraram ainda uma marchinha carnavalesca assinada pelo Prof. Clodomir Colino: ‘Mamãe eu quero, quero / andar de zepelim, / com tanta mulher boa / dando sopa, está pra mim’.

E pelo que estou entendendo, houveram modelos diferentes de empresas diferentes, como se v6e nos detalhes abaixo.

zepelinsbibas

Ainda achei esta foto aqui no incrível Museu Virtual do Transporte Urbano.

mar05

O jornal O Globo publicou mais informação sobre este ônibus duas semanas atrás, vou pegar meu o meu no escritório e depois escrevo aqui.

Mas que é tudo muito fascinante, belo e interessante, ah isso é. Como seria ver um desses hoje em dia?

Jesse, you should try a tour in one of these Zeppelin busses!