Update do Ford

Bom, o Ford ainda está esperando vaga na Icauto, o Marcus prometeu que amanhã recebe o carro. Tá cheio de trabalho lá, e enquanto isso nós vamos sofrendo por aqui. Haja coração.

Esta semana fui instalar o road light que chegou semana passada. Deu uma dor de cabeça gostosa encontrar a maneira correta de instalar os enfeites, mas eu não tinha pressa por que esperei por esse dia mais tempo do que para comprar o Ford. Sou simplesmente enfeitiçado por essas lentes âmbar.

Com dizia, nessa fase eu vou atacar em alguns flancos (gostou das metáforas beligerantes? Afinal, restaurar um carro é uma guerra, né Sun Tzu?) diversos. Vou instalar a caixa de transmissão que comprei do Eugênio. A minha tá com o conjunto de segunda quebrado e por isso faz um barulho chato. Com isso aproveito para colocar embreagem nova, que o próprio Eugênio recuperou e balanceou pra mim. Nisso nunca mais mexo. E aproveitar e colocar calços novos, no motor, caixa e balanças.

Depois disso é atacar o bura, que tá estranho. Beleza em lenta, mas pisa e ele geme, tosse, espirra e pigarreia – nada de gasolina chegando ali. Eugênio acha que é giclê (ou esguicho como eles falam naquele país estranho chamado Rio Grande do Sul) mas eu aposto na válvula de máxima. Em breve vamos ver quem tá certo! ;) Uma terceira causa seria a falta de avanço no distribuidor, mas isso eu vou saber de outra maneira.

Mas entre a vinda dele aqui e semana passada eu comprei mais coisas, os road lights entre elas, que quero indicar aqui a fonte, talvez lhe sirvam algum dia.

A primeira é o James Saccoccio, vendedor da Job Lot Automotive, empresa especializada em Fords e que fica em New Jersey. Indo por aquelas bandas vá lá fazer uma visita. James têm melhor preço que o Dennis Carpenter e atende com aquele jeito que nós, brasileiros, tanto gostamos. É um excelente negócio comprar deles, em qualquer aspecto. E sim, ele manda pra você as peças aqui no Brasil, ligue e converse a respeito.

A segunda é o trabalho do Jim do Bubba’s Hot Rod Shop, que faz excelentes conversões de distribuidores Chevy para os nossos Ford Flathead. O trabalho deles é aclamado no HAMB e alhures, e comprei sem medo a versão eletrônica do distribuidor dele. Ligue para a Debbie, que é o atendimento – um doce de criatura por sinal, e encomende o seu. E eles não são dedicados exclusivamente a estas conversões mas também a diversos outros modelos de carros americanos.

E sim eu sei o que tu pensou, meu Fordão vai centelhar a partir de um Chevy zerinho, quem diria? Segue foto. E o preço? Com platinado $150 e eletrônico $192. Barato, não? Veja quanto estão pedindo num surrado no Mercado Livre e caia pra trás… Esse mercado de antigos no Brasil, no geral, é uma vergonha. Muito aproveitador-contador-de-histórias-com-mercadoria-ruim e as exceções salvam a alma do resto. Conversava com amigos outro dia sobre como deve estar o mercado de peças pra Dodge no Brasil, e disse que um dos motivos pra vender o meu foi esse, o preço de qualquer coisa. Tô fora.

Mas além disso comprei também – não resisti, foi um dia em que eu tava com um puta baixo astral, sabe? – um carburador novo pro Ford. É o mesmo tradicional Holley 94 só que agora fabricado nos USA pela Edelbrock. Sabe quanto? $349 na Summit. Aqui no Brasil um todo arrebentado? R$250 reais por uma sucata…

Além disso veio mais bastante coisa, mas miudezas. Vou pedir ao Eugênio para recuperar minhas duas bombas originais de gasolina e veio um kit pra isso. O meu retorvisor, de Opala, vai sair e entrar um original. E mais um monte de coisas.

É isso, o Papai Noel caprichou esse ano. Agora estou mais perto de ter um carro 100% pra andar por aí.

Êpa, me lembrei que semana que vêm preciso mandar fazer um radiador do tamanho original também….

Isso não acaba nunca. Ainda bem.

Feliz ano novo para você, que Deus lhe dê muitas alegrias no ano que vêm. Quando topar com um baita desafio, não se esqueça que é com eles que Deus embrulha as maiores alegrias. Feliz 2012!

Anúncios

Começou

Eu demorei mais de um ano para achar meu Ford, o 51. O que eu escolhi pra ser nosso veio com algumas coisas pendentes, outras mal feitas, principalmente a elétrica. Faz parte, mas pelo risco e por cuidado tive que deixar o carro parado um ano e três meses. Ontem todavia e finalmente, comecei a mexer no carro, que vai voltar a andar daqui uma semana. Claro que não estou fazendo isso sozinho. Trouxe meu amigo Eugênio de Farroupilha, RS, para em uma semana dados o choque inicial no Shoebox: elétrica, freios novos, nova caixa, embreagem e setor de direção, além de um novo motor de arranque. Vai ficar bom, se não. Conheci o Eugenio no Shoeboxford.com uns dois anos atras e decidi que a melhor coisa era contar com ele aqui para essa missão, a de colocar o Ford em marcha, novamente. Eugênio tem um blog, para quem quiser saber um pouco mais sobre o trabalho dele que é o Garagem do Eugênio . Nem preciso dizer que o gaudério da minha parte mal pode contar com o apoio moral, mas em compensação sou excelente em acender a churrasqueira, manter a cerveja gelada e apertar play na vitrola.

Vai ser uma boa semana.

Abraços, Nik.

O nosso Ford chegou, afinal.

O nosso Ford 51 chegou, e nós aqui estamos muito, muito felizes. Muito mesmo.

Por hoje, só deu para ligar e andar um pouco, e foi muito bom. Mas, depois de ver o video que Alessandra gravou da chegada, achei que seria uma boa idéia compilar este dia em um filminho pro Tales, que sabe-se lá como irá se lembrar deste dia no futuro. Apesar de acreditar que certas coisas não se apagam com o tempo, a brincadeira foi boa, talvez você goste.

Obrigado a todos que torceram, opinaram, ajudaram e contribuíram para que este dia chegasse. Muito obrigado mesmo.

Ford 51 Fordor, Brasil.

A fase Ford não passa, a ansiedade para ter o meu é crescente, dói.

E os amigos não deixam a poeira baixar. Esta foto foi presente do Guilherme, do Antigos Verde e Amarelo, que é um rato da arqueologia do automóvel no Brasil. O local não deve ter registro, mas ele garantiu que é no Brasil.

O legal aqui nesta foto não é só o elefante no fundo, é o lindo e esplendoroso Ford Fordor 1951 (viu a coincidência sonora? Não é por acaso…). Ali no pára-lamas, eu não sei, é um passarinho? Um adorno de época ou momentaneamente colocado ali? De qualquer forma, um lindo arremate para esta foto. Obrigado, Guilherme.

Ford_51

Catálogo de peças 1954.

Meu interesse é pela história periférica do automóvel e por isso vira e mexe me atraio por assuntos que muitos talvez considerem menores. Como os acessórios de época para os carros, por exemplo. Acho que eles têm muito a nos dizer sobre a época, a tecnologia e as pessoas que conduziam automóveis. Por isso que eu publiquei aqui aquele catálogo da Pontiac, mas ali também para exibir a pujância de uma indústria que hoje agoniza.scan0001-vi1

Eis então que eu me deparo com este catálogo de uma tal de Eastern Auto Parts para o ano 1954 e 1955.  Estão ali acessórios para alguns dos mais clássicos carros americanos. É de um frescor e pureza a qualidade da informação que se revela ali que me deixou até um pouco constrangido de ver a simplicidade do que era então motivo de cobiça dos homens da época!scan0023-vi

Eu por exemplo gostei muito das peças para os carros customizados, e existiam muitas naquela época. Os hot roders já dominavam a cena inclusive quanto consumidores e a prova disso são as diversas peças para os Flatheads e muito cromo em tampas de válvula e companhia. Adorei ainda a seção de calotas com preciosidades que não são encontradas mais hoje, quiçá copiadas.scan0007-vi

Enfim, trata-se de um achado. Se você gosta dos carros antigos, não deixe de admirar o catálogo de peças da Eastern Auto, ‘pioneira no ramo desde 1919’! Entendeu agora o valor deste livrinho de 32 páginas?scan0012-vi1

Para ver todas as páginas, clique por favor no link abaixo. Depois do pulo vêm o mergulho na história do automóvel.

Continuar lendo

Fords clássicos

Bom, se não são clássicos estes Fords na definição dos entendidos, pelo menos na minha são. São carros lindíssimos que representam possivelmente a época mais criativa da Ford e uma das mais marcantes da história do automóvel. Todas em alta resolução, clique para ampliar e salvar. O que estes carros me fazem lembrar é que os Fords nasceram e foram po rmuito tempo o carro do trabalhador comum. O primeiro carro, a realização de um sonho, das famílias mais simples e que por isso mesmo mais se encantaram com eles, ao contrário de quem comprava um Le Sabre, por exemplo. Talvez por isso eu goste tanto dos Fords desta época.