Fulton

Estas viseiras Fulton são um sonho de consumo que eu estou quase realizando, para enfeitar o Fordão. Há outra marca famosa da qual nunca me lembro o nome. Eu não conhecia até agora era um anúncio da Fulton, como este, nem esta calha de janela deles, que combina com o desenho da principal. Agora que quero as duas.

Também via o Flickr do Paul Malon. Estou aproveitando o feriado para fuçar o Flickr, coisa que não fazia há seis meses. É meu parque de diversões, gasto horas ali. É tanta coisa boa que eu nem sei por onde começar. Vamos em frente.

Anúncios

12 comentários sobre “Fulton

  1. Dan disse:

    Viseira, saia, caça-mulata, estepe continental… Até o mais “pé-de-boi” fica um luxo!

  2. Guilherme Gomes disse:

    Meu caro amigo, se o post está aberto a opiniões, devo dizer que não vejo graça nesses acessórios trombolhudos… Eles escondem o carro e chamam mais a atenção do que deve…

    Abraço,

  3. roberto zullino disse:

    Acho o máximo essas traquitanas, mas a melhor é aquele tubo com água dentro que vai pendurado na janela do passageiro e manda ar frio para dentro do carro. Não tenho a menor idéia como funciona, mas sei que tem que por água. Fica parecendo uma traquitana pendurada, mas tem seu charme e segundo me disseram funciona. Se não me engano foi inventado ou adotado pela Ford, mas depois até para Fusca fabricaram.
    Gostaria de uma foto de um Fordão com essa geringonça. Os anúncios que vi eram sempre com carros Ford 53/54.

  4. Irapuã disse:

    Acho legal um carro -principalmente coupé- com as saias traseiras (fender skirts) e gosto dos caça mulatas. Quanto à viseira, talvez por influencia de minha época de infância, associo aos taxis (chamados carros de praça) pois era comum nesse carros em Curitiba e sinceramente não me empolga.

  5. Romeu disse:

    Alem dessas viseiras em chapa, existiam tambem umas mais leves, coloridas e transparentes (acrílico?).
    Eram comuns nos Bel Air 51/52 e ficavam muito charmosas.
    Alguns acessórios eram de bom gosto, outros nem tanto.

  6. Luís Augusto Malta disse:

    Guilherme, discordo de vc. Carro americano tem que ter esses acessórios porque eles complementam o projeto e são retrato da época de excessos vivida pelos EUA. Ao contrário dos Fuscas com “acessórios de época” que nunca foram vistos na “época”. Nik, vá em frente! Compre o tal tubo que o Zullino mencionou tb!

  7. Nanael Soubaim disse:

    Levemos em conta que o carro americano padrão, na época, era enorme em qualquer outra parte do mundo; mesmo hoje um americano médio é grande para os nossos padrões europeus. Esses acesórios, muito úteis para países tropicais como o nosso, são proporcionais ao tamanho dos veículos a que se propõe.

    Romeu, eram de acrílico sim, em uma época em que se achava o polipropileno muito ruim para uma aplicação deste naipe. É mais caro, mas ainda hoje vejo caminhões Chevrolet D60 com os de época, talvez quebrados ou trincados, mas com a coloração intacta.

  8. Francisco José Pellegrino disse:

    Compre…manda bala, fez parte, tinham muitos carros com este acessório por aqui.

  9. Nikollas Ramos disse:

    Putz, a coisa que eu achava a mais pacífica num auto rendeu tantos bons comentários!
    Olha Guilherme, compreendo seu ponto de vista, mas prefito os badulaques. Esta época, do final da segunda guerra ao início dos 50, foi o período de ouro dos acessórios. Por vários motivos, eu acho. Os carros careciam de renovação, eram os mesmos de 10 anos antes. O design ainda era limpo, favorecia os penduricalhos. Mais tarde o design fica tão fechado e pré-definido pela fábrica que pouco ou nada se pode fazer nesse sentido. Há automóveis que falam muito sobre quem o desenhou e não permitem estas brincadeiras – vã morrer tal qual saíram da fábrica. Há outros que permitem que a personalidade do dono interaja, como o são os Dodge, Plymouth, Chevy e Ford deste período.
    Para mim, estes carros têm um carater lúdico que impõe estes apetrechos. Complementam, diferenciam, divertem. Eu olho pro meu Ford e acho graça do jeito dele. No sentido de que ele me convida a refletir sobre a época, seu desenho e forma. Ele para mim ainda é um projeto ousado, moderno e aberto! Veja o que os americanos fazem com ele, a lista é longa, são muitas personalidades autmotivas diferentes. E por isso ele me convida a interagir com ele, sem mexer na essência. Te digo, 10 entre 10 amigos que me visitam para ver o Ford (aconteceu ontem mesmo) se divertem com as linhas do carro, a grade e as lanternas. Mas se quedam em elogios admirados ao caça mulatas! É tão diferente do que eles imaginam de um automóvel que simplesmente aquilo torçe a memória e as convida a mudar seu paradigma.
    E olha que ainda estõa para chegar o fog light, a rear light que vai presa no pára-choques e não aquela que fura a lata (legítimo aftermarket NOS!) e talvez, não sei ainda, as saias de roda. Vou colocando, enfeitando o burro do cigano. Quanto mais gente olhar pra ele e falar, uau, que troço diferente! (KKKKK) mais divertido será passear com ele por aí. E, no final, é do que se trata, se divertir. Se é pra não chamar a atenção iria de Gol!
    A outra grande marca, que produzia em acrílicos, era a Peckat mas havia uma outra que esqueci o nome…
    O Chico têm no blog dele um Chevy 51 acho que uns 827 acessórios de época, quem quiser dá um serah lá que as fotos são divertidas.
    Zullino, esse eu não conhecia. Conheço o reservatório do fluido de freio, que vai ali no corta fogo, que saiu até por aqui nos Willys acho como acessório, eram comuns. Estou a cata do meu!
    Abraços, Nik.

  10. Irapuã disse:

    Nik,
    Concordo com todas as suas colocações. Os acessórios nesses automóveis eram aplicados não apenas como enfeites. Naquela época, quase sempre acrescentavam alguma função, seja prática ou para melhorar o conforto e a habitabilidade. A opção de aplica-los era mais pela necessidade/praticidade (caso dos “carros de praça” que citei acima) e claro, pelo gosto pessoal do proprietário. É o caso específico dos caça mulata, que além do charme que considero emprestam ao veículo, era utilíssimo para identificar endereços e a numeração das casas num tempo em que os bairros mais afastados eram carentes de iluminação.

  11. Nikollas Ramos disse:

    Sim, esse aspecto da funcionalidade eu nem mencionei, pois eram principalmente isso mesmo. As pessoas podiam melhorar o carro que tinham de acordo com o uso. Coisa legal, ainda mais se imaginarmos que, hoje em dia, isso é impossível. Alguém imagina uma acessório para um Civic? Além de rodas imensas, claro. Ou para o Corolla, Malibu, Fusion? Pois é. Nem é que eles venham prontos, mas é que por vários motivos (segurança é um que me ocorre) a indústria não quer ver você futucando seu carro por aí. Intencional ou não, a época de se melhorar o carro com bom gosto, elagria e elegância, acabou. Já a época de enfeitar não, ainda podemos fazer isso com muita irreverência e razoável bom gosto! :)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s