Coronel Pio José da Silva e seu Ford T em Goiás, 1920.

A foto é indicação do prezado Aguinaldo Pacheco, que mora em Viçosa, mas têm as raízes de sua família lá em Goiás. Ele passou aqui pelo blog e fez-nos o grande favor de citar esta imagem belíssima, cuja legenda eu transcrevo adiante.

Família+Silva+em+picnic

“Meus ancestrais felizes em 1920, com seus carrinhos Ford Modelo T, na estrada que construíram na enxada, no Estado de Goiás, ligando Rocador no Rio Corumbá até Anápolis e que hoje tem o nome do meu bisavô Coronel Pio José da Silva.”

E a imagem é muito rica em informações. A foto acima fala muito do modo como vivia e se locomovia uma parte da sociedade de Goiás na alvorada da mobilidade mecânica no século XX. Repare esta belíssima motocicleta no canto direito, que eu não sei qual é, mas bem que poderia ser uma belga (FN), alemã (ZF) ou inglesa, pois estamos falando de 1920, ora bolas! Uma Harley Davidson não me parece ser o caso. Admire, ainda, o side car, que se tornou popular após a eclosão da 1ª Guerra, poucos anos antes, dando mais mobilidade às tropas. Já os automóveis me parecem todos Fords, modelo T com 3 configurações distintas de carroceria – reunidas na mesma foto! Baita foto, Aguinaldo, um panorama completo da mobilidade em Goiás no século passado. Se tiver mais, por favor, envie para nós.

O Blog do Aguinaldo está aqui neste link e eu agradeço em nome de todos os interessados pela história do automóvel no Brasil a gentileza. Obrigado e parabéns por preservar estas histórias, Aguinaldo.

det_1det_2det_3det_4

Anúncios

24 comentários sobre “Coronel Pio José da Silva e seu Ford T em Goiás, 1920.

  1. Viçosa Cidade Aberta disse:

    Esqueci de informar. Na foto do carro baú está escrito Campo Formoso. Hoje a cidade se chama Orizona-GO. Além de importar seis Ford T para a primeira empresa de transporte rodoviário de Goiás ele montou uma escola de mecânica para consertar os carros e formar motoristas. E como vc pode ver, os ex-escravos viraram motoristas e mecânicos. A moto, não tenho certeza da marca, mas era alemã.

  2. Nikollas Ramos disse:

    Eu tentei ler mas não consegui, está aí o registro.
    Você se refere ao Cel. Pio, é isso? Ele quem importou os seis Fords, montou a empresa, escola e oficina? Uau.
    E, afinal Aguinaldo, há outros registros desta façanha da sua família? Da oficina quem sabe?

  3. Nanael Soubaim disse:

    Que cousa mais linda! E pensar que meu avô materno veio para Goiás justo nesta época. Só não digo que ele estava no meio porque não o vejo na photographia… Pena eu não ter alguma para conferir.

  4. Russel disse:

    Nik, o amigo pode conseguir fotos daqueles Mavericks à mercê da sorte? Pelas pesquisas que fiz, é o maior, digamos, cemitério nacional de mavs… 5!? Foto do porte da dos Camaro, resguardadas as devidas proporções… Abraço.

  5. Leonardo Grecchi disse:

    Nik:

    A moto tem uma configuração típica de caixa e motores independentes. Dificilmente será uma Alemã, mas não impossível, pois elas vieram um pouco depois de 1920.
    Americana mesmo é que não é: A Harley e a Indian começaram com 4 cilindros em linha e depois partiram para o V2.
    Possivelmente é uma Inglesa, de 1 cilindro e 350cc (no máximo). Pode ser uma Norton, BSA, Triumph ou Royal Enfield. Com certeza não é uma Rudge (raríssimas no BR), HRD ou Vincent (pois eram v2 de 1000cc), Brough (moto elitista e EEENNNOOORRRRMMMMEEE!!!), nem Ariel, conhecida “Square Four”.

  6. Nikollas Ramos disse:

    Baita comentário, Grecchi, exatamente o que eu faria se tivesse tanta informação na cabeça!
    A FN foi o meu pior palpite, elas ainda eram muito esguias em 1920 apesar de já terem motor 4 cilindros acho que a partir deste ano ou o seguinte.
    Existe um livro (sempre existe um…) sobre motocicletas até 1922 (que é quando a harley lança a seu V-twin) que está na minha lista da Amazon, mas eu nunco consigo chegar lá, sempre têm algo antes.
    Abraço, Nik.

  7. Russel disse:

    Existe uma foto na web com 6 mavs num pátio, no território norte-americano (pra eles, lá, o mav é pintinho, no bom sentido, pois intentava competir com o Fusca!), e os aficcionados, daqui, dizem ser o maior cemitério de Mavericks existente no mundo; contudo, suas fotos podem quebrar este paradigma e lançar o Brasil a um nível de destaque no abandono destes Ford (aqui, supervalorizado). Risos. Fico na espera, amigo.
    _
    Sobre estas fotos, acima, vou a um arquivo e, lá, tentar conseguir umas fotos da frota gaúcha, as mais remotas possíveis; serve foto de carreta com uma penca de bois à frente? Acho não, né?
    _
    Abraço.

  8. Leonardo Grecchi disse:

    Nik:

    Se precisar, tenho livros de:

    BSA Twin and Triples;
    Triumph Tiger
    Yamaha Scramblers;
    Photo history of Indians;
    E alguns outros livros menos importantes…

    Se vc visse o universo de motos antigas e os livros, ficaria apaixonado!

    Essa minha paixão começou pq não tinha dinheiro para comprar nada. Só revista 2rodas e motoshow. quando apareceu uma RD350 73 na mão, não tinha a grana!

    E quando o dinheiro apareceu, comprei um Dodge…

  9. Leonardo Grecchi disse:

    Nik:

    A primeira Harley V2 chamase modelo J, com trambulador na mão direita.

    Se vc quizer fotos, tem de ver umas revistas inglesas que tenho chamada “Fast Classics”. É qualquer nota…

    O meu tesão são as chamadas “Café Racer” e as Triton. Tanque raspado, guidão Tomaselli, quadro Triumph Tiger, motor Norton Commando.

    Ai, ai, ai…

  10. beatriz araújo valle disse:

    Aguinaldo,
    Devemos ser parentes próximos. O nome do meu bisavô é Pio José da Silva um visionário, inteligente e negociante neste sertão goiano. Sempre temos muitas histórias para recordar sobre seu modo de vida e muito me interessa ouvir ou ver fatos que ele sonhou e realizou,como na foto.
    Sou Beatriz, filha do Aloysio e Etelvina que por sua vez era filho da Mariana e Idomeneu, isso lhe soa familiar?
    Ms gostei do post.
    Beatriz Valle

  11. Carros Antigos disse:

    Beatriz, que feliz coincidência. Se um dia quiser contar mais da história desta personagem tão fascinante, é só mandar pra mim. Fotos então, o prazer é dobrado.
    Abraço fraterno, Nik.

  12. Aguinaldo Pacheco disse:

    Beatriz Araújo Valle,
    Somos primos. Pio é nosso bisavô comum de Orizona, O original dests foto me foi dado por meu avô, o Guinu do Hotel Dom Bodsco de Goiânia. Minha tia Terezinha França está escrevndo um livro sobre este nosso bisavô. Procure-a aí em Goiânia.

  13. Carros Antigos disse:

    Êita mundinho pequeno…!!! Aguinaldo, se possível, mande mais histórias e fotografias. Um dos melhores posts deste blogue é justamente este, de seu bisavô.
    Prazer em tê-lo por aqui, agradeço o comentário.
    Abraço fraterno, Nik.

  14. Aguinaldo Pacheco disse:

    NiK,
    Estou tentando me lembrar do nome de um senhor de Goiânia, que Deus queira ainda deve estar vivo, que testemunhou esta epopéia. Sobrenome Lobo de Silvânai-GO e que mora (va?) na Av.Tocantins, Centro. Ele escreveu uns livros que consta inclusive um desastre sem vítimas com um dos Ford T que caiu dentro do Rio Corumbá, na localidade chamada Roncador, onde ainda existe uma linda ponte ferroviária metálica, próximo a Pires do Rio-GO. Minha Tia Terezinha França deve tê-lo entrevistado e isto deve constar do livro dela. Indo a Goiás agora em julho tento obter mais informações e te passo. Existem mais fotos deste carrinhos. Da família em pic-nic, do carrinho dentro do rio.E talvez outras.

  15. Carros Antigos disse:

    Êita que legal. Se tiver um tempo e se lembrar, mande as fotos para nós. Vai ser legal dar continuidade à história da família e seus automóveis aqui no blog.
    Abraço, Nik.

  16. Beatriz Valle disse:

    Oi, Aguinaldo
    A Terezinha França é minha madrinha. Alguns dias atrás passei uma tarde agradabilíssema com ela, minha mãe e o Donato, ouvindo casos de nossa família e rimos muito. O Donato tem um dom para narrar fatos com graça e comicidade. Quanto aos carros antigos, só posso me lembrar do gosto do meu pai por esses carros mais excentricos, pra mim um gosto um pouco esdrúxulo, quando eu era pequena.Minha mãe deve ter algumas fotos, vou procurá-las e as envio a voce.
    Um grande abraço
    Beatriz Valle

  17. Aguinaldo Pacheco disse:

    Estou a cata de livros sobre a História do automóvel em Goiás. Já encontrei três. O automóvel em Goiás, de Silvio do Rosário Curado Fleury que às pag, 31 fala da construção da ligação Roncador-Anápolis estrada feita pelo nosso bisavô, Orizona Cidade Campo de Olímpio Pereira Netoque ás pag.69 cita novamente o fato e o livro de José Sêneca Lobo, que lá encima eu tinha me esquecido do nome, que que escreve sobre Bonfim e que conheceu e admirava nosso bisavô. Tem ainda um livro do meu parente Basileu Toledo França intitulado Cavalo de Rodas que fala do automóvel em Goiás.

  18. Aguinaldo Pacheco disse:

    Ah! Estou tenetndo fazer um diorama com base nesta foto, mas estou com dificuldades de encontrar o modelo Ford T em Die cast, em uma escla adequada, tipo 1:18, ou 1:24. Quem souber de algo favor me comunicar.

  19. Aguinaldo Pacheco disse:

    Beatriz Araújo Valle, seu avô Idomeneu está nesta foto.É o de terno branco e gravata encosntado na moto do lado esquerdo. Não sei de tia Marina está, mas é provável que sim.

  20. juraci de oliveira disse:

    carra pois nao e que esta escrito no bau, com uma luneta pude ver realmente esta escrito no bau campo formos. parabens sao estas observaçao que agusam a qualidade dos blog?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s