Arquivo da categoria: Life Photo Archive

Images of old automobiles from the Life photo archieves. Fords, Dodges, Chevrolets in old America.

NASCAR Darlington 500, setembro de 1958

Selvagem correr com esses carros. Alguns caras não se davam ao trabalho de tirar os frisos dos stock.

O que mais me chamou a atenção foi o Mercury Turnpike. Não sabia que isso fazia curva…

Na Wiki, sabe-se que a corrida foi em 1º de Setembro de 58, e quem ganhou foi “Fireball” Roberts, com um Chevy 57.

Fireball foi o que aconteceu com outro carro, o de nº 60, veja abaixo. Que auto é esse? Estou com preguiça de pesquisar. A sorte do carro de nº 47 não foi muito melhor. Perceba a carroceria altamente deformável, visando exclusivamente a segurança do piloto.

Outro ponto: imaginou o barulho ensurdecedor e característico de cada motor – de acordo com o fabricante e com cada preparação  – que nessa época se ouvia nas corridas da NASCAR? Desde que motor passou a ser único, a sinfonia virou um solo.

Muller Bros Car Wash, junho de 1951

No dia em que iriam lavar o carro de número 3.000.000, o lava-jato dos irmãos Muller decidiu organizar uma grande promoção.
Que promoção. Convidaram lindas moçoilas, cada uma eleita miss em alguma categoria: miss lanternagem, miss lubrificação, miss acessórios e por aí vai.
Que festa, os velhinhos babando é a segunda melhor parte das fotos. Afinal, era 1951 e mulheres em trajes mínimos, mesmo na Califórnia, ainda causavam um rebuliço. Bom, corrigindo, se hoje causam, image então.
Em terceiro lugar, os automóveis, claro. Especialmente o Oldsmobile Curved Dash de 1902, que eles levaram ao evento. Olha como os caras eram bons e conheciam do seu negócio e sabiam como agradar o cliente. Se era um original eu não tenho a menor idéia, mas em 1951 não deveriam existir réplicas do Olds ainda.
Os irmãos Muller fizeram história. São citados neste livro, como pioneiros do negócio e hábeis vendedores. Vale a leitura do parágrafo.

Barthes

Este é um blog sobre fotografia. Quase sempre fotos antigas, de automóveis antigos.

Sendo a fotografia uma minha obsessão que não quero desvendar, estou relendo “A Câmara Clara” de Barthes.

E ele atrapalha este meu não-compreender. Principalmente a noção de nostalgia através da fotografia, tão em voga hoje em dia. Pois não é toda a fotografia, pretérita?

Barthes reflete:

“O que a Fotografia reproduz ao infinito só ocorre uma vez: ela repete mecanicamente o que nunca mais poderá repetir-se existencialmente.”

Mais adiante, ele diz que a “A fotografia sempre me espanta, com um espanto que dura e se renova, inesgotavelmente”.

E é assim, melancolicamente conformado com a metafísica por cima de todas as coisas, que divido umas últimas fotos que pesquei no acervo da Life.